Este é o primeiro de uma série de posts sobre minha viagem para a Carolina do Norte (North Carlina) nos Estados Unidos. Resolvi separar em mais de um post por que eu acabei conhecendo bastante lugares e mesmo cidades diferentes em minha viagem, visto que fiquei 35 dias por lá. Foi uma viagem a trabalho, e acabei utilizando minhas horas livres (feriados e fim de semana) para desbravar este estado ao mesmo tempo calmo mas cheio de lugares e pontos turísticos.

Não poderia começar por outro lugar senão Raleigh. A capital da Carolina do Norte é a segunda cidade mais populosa do estado, perdendo apenas para Charlotte. Conhecida como “City of Oaks” pela grande quantidade de árvores desse tipo em sua paisagem, Raleigh é cercada por florestas e parques.

Praticamente todas as minhas atividades em Raleigh ficaram restritas à Downtown Raleigh. Fui conhecer os arredores alguns dias, fui em alguns outros locais próximos, até mesmo restaurantes e cidades, mas na capital a maior parte das atividades foram em Downtown.

Nota Rápida: Atente-se para os horários em Downtown. Praticamente TUDO fecha as 10:00pm. Restaurantes, bares e até mesmo os restaurantes de alguns hotéis costumam parar de servir neste horário.

Por ser uma capital comercial do estado da Carolina do Norte, você irá encontrar muito movimento durante a semana, com empresas, restaurantes movimentados, bares e pubs lotados. Mas durante o fim de semana, a cidade fica deserta. E isso não é uma força de expressão, praticamente nada acontece em Raleigh nos fins de semana. Ruas vazias, a maioria dos locais fechados e praticamente ninguém na rua. Mas não se espante: apesar de encontrar locais e ruas desertas, todas as atrações do local estão abertas.

O movimento maior irá começar realmente no começo da tarde, onde o pessoal começa a aparecer para o seu  “brunch”, e  à noite os restaurantes e bares começam a ficar lotados e algumas poucas ruas mais movimentadas.

Glenwood Avenue (mapa)

Por falar em ruas movimentadas, esta será a unica avenida de Raleigh que você provavelmente irá encontrar um pouco de agitação. A Glenwood Avenue é a rua onde a maioria dos bares, restaurantes e pubs badalados de Raleigh se encontram, e esta é a rua da atividade noturna da cidade. Com diversos Bares, Restaurantes, Pizzarias, Pubs, Restaurantes Típicos (locais ou não) e algumas outras atrações para os baladeiros, é aqui que você irá gastar boa parte de suas noites se gostar de sair para beber, se divertir e ver gente. Nota: Não se engane, esta é uma avenida realmente grande, mas a parte mais badalada dela irá ficar entre o 200 Glenwood Ave. até aproximadamente o 1100 Glenwood Ave. É nesse intervalo de pouco mais de 1.5 km que você irá encontrar o que mencionei acima.

Dentre todas as atrações que encontra-se nesta avenida, algumas merecem destaque pelo atendimento, boa comida ou pela variedade de opções. Começando pelo Hiberian Irish Pub você encontrará uma boa variedade de sabores de cervejas e alguns lanches para acompanhar. Eu sempre dou preferência para conhecer sabores locais e experimentar. Portanto, peça algumas das cervejas da Carolina do Norte. Armadillo Gril é um restaurante estilo Tex-Mex, com grande variedade de Tacos, Burritos, Wings e alguns outros pratos bem picantes. DeMo’s Pizzerie & Deli foi o local que me salvou da fome uma série de vezes. Eles servem Pizzas em Fatias, onde você escolhe o sabor que quer e eles montam na hora, adicionando os “toppings” de acordo com seu gosto. Você também encontra pizzas inteiras, para comer no local ou para levar. Este era um dos poucos locais que eu conseguia encontrar aberto após as 10:00pm em Raleigh para comer. Mas eles não vão muito além desse horário também. Nos finais de semana é comum encontrar lugares abertos até mais tarde, mas não vão até de madrugada.

North Carolina Museum of Natural Sciences

Fui procurar conhecer também alguns dos museus e pontos históricos de Raleigh durante minha viagem. Até então, não havia pesquisado nada a respeito dos lugares próximos, e deixei para ir conhecer e mesmo pesquisar sobre alguns lugares para ir quando já estava lá. Foi ai que descobri o North Carolina Museum of Natural Sciences. Para minha sorte, foi uma agradabilíssima surpresa.

Entrada do Museu
Entrada do Museu

Já na entrada você se depara com um Globo gigante mostrando os continentes e já dando um gostinho do que vai encontrar dentro do museu.

A entrada é gratuita e o pessoal pede apenas para deixar algumas “tips” no balcão de entrada. Não é obrigatório, mas é costume e sempre bem vindo dar tips, ainda mais que o evento é grátis.

Se atente para o horário pois os dois prédios deste Museu operam em horários diferentes, ainda mais no fim de semana. Visite este site para saber os horários do Nature Exploration Center e do Nature Research Center. Cada um desses prédios você encontrará algumas atividades diferentes e até mesmo interativas. No “Nature Research Center” você terá acesso aos laboratórios onde são feitos estudos, testes e análises de dinossauros, fungos, componentes eletrônicos e exploração espacial. Você poderá ver os cientistas trabalhando e a grande maioria das salas possuem interatividade, onde você pode participar dos experimentos, observar os microscópios, lunetas ou interagir com jogos e telões sobre diversos assuntos, desde como se formam as tempestades, furacões e tornados, até como é a formação do solo, e evolução animal. Carros elétricos, natureza, insetos, estrelas, planetas, são tantos assuntos em um só museu que você poderá gastar horas com os assuntos que mais lhe interessam e interagir com a maioria deles.

Sala de Pesquisas
Sala de Pesquisas

A maioria dos laboratórios possuem interatividade para, mas não somente, as crianças. Sim, eu também estava na fila para fazer um teste de amostra de meu DNA junto com 15 outras crianças e pais me olhando de forma estranha. 😛

Alguns adultos também são encorajados a entrarem na brincadeira e participar também, fiquem calmos.

Durante o fim de semana (eu fui em um Domingo) alguns dos laboratórios e algumas das interatividades estavam fechadas, como a parte de astronomia ou esta a foto ao lado. Durante a semana todas as salas são abertas.

Já no Nature Exploration Center, não existe tanta interatividade, são mais exibições mesmo de diversos assuntos, como dinossauros, a fauna e a flora de determinadas regiões, aquário, etc. Além disso, existem exibições temporárias e que mudam a cada mês. Quando eu fui estavam exibindo a formação e diferença de Solos pelos Estados Unidos e outros continentes. Algumas dessas exibições temporárias acabam virando permanente.

Cade a Lois Lane?
Cade a Lois Lane?

Aos Domingos, o horário de abertura do museu é ao meio-dia. Mas isso não impediu que eu aproveitasse bem todo o conteúdo que o Museu tinha para oferecer. Tive a oportunidade de ir aos dois prédios, ver os laboratórios, participar de algumas atividades e interatividades, e ver as exposições. Gastei uma média de 2 horas para ver tudo sem muita pressa, e mais 1 hora para voltar às atrações que eu achei mais legal e queria rever com mais detalhes. Com isso, me sobrou tempo para ir em um outro museu que fica ao lado do Natural Science, o North Carolina Museum of History.

Se você pretende passar mais tempo neste Museu, no térreo existe um restaurante muito bom chamado The Daily Planet Cafe. Apesar de ter “Cafe” no nome, ele também serve, além de break fast, brunch e almoço.

Não possui muitas variedades, mas o cardápio possui alguns pratos de wraps, saladas e lanches no almoço e algumas combinações para o café da manhã.

É uma alternativa para quem pretende passar o dia todo lá e não quer bater perna procurando restaurantes na região para comer e depois voltar. Bom também para uma pausa entre uma galeria e outra do museu.

North Carolina Museum of History.

Saindo do Museum of Natural Sciences eu descobri que ao lado dele ficava o North Carolina Museum of History. E quando eu digo ao lado, quero dizer exatamente na mesma calçada. Na verdade os fundos do Natural Science tem uma outra Entrada / Saída em um calçadão, que também fica a entrada do Museum of History.

NC_History_Museum

Não é um museu muito grande, e você consegue ver praticamente tudo em pouco mais de uma hora. Indo em um sábado, ou mesmo no Domingo (que foi o meu caso) você consegue passear pelos dois museus sem maiores preocupações e sem precisar ver tudo correndo. Um dia inteiro do final de semana é tempo de sobra para as duas atrações.

Neste museu você é apresentado à um pouco mais de como surgiu e como se desenvolveu a Carolina do Norte. Os grupos que formaram o estado, a história da policia local, armamentos e as guerras travadas na região, onde a que mais se destaca foi a guerra civil norte americana, onde a Carolina do Norte teve um papel de destaque pelo lado dos Confederados.

Desculpem a Qualidade da Foto :-(
Desculpem a Qualidade da Foto 😦

Além das guerras, vemos um pouco da história da evolução industrial e têxtil da Carolina do Norte, da produção de Tabaco, que hoje faz com que esse estado seja um dos maiores produtores dos Estados Unidos, e também um pouco da cultura indígena da região.

Ao final você ainda descobre alguns dos músicos e mesmo alguns grupos musicais da Carolina do Norte que possuem uma breve referência no museu.

O museu não é um dos maiores que já fui, mas acaba contando uma parte importante da história americana quando falamos do momento da guerra.

Acabei passando um pouco rápido por algumas coisas, e demorando um pouco mais em outras. Também vale mencionar a sessão relacionada à navegação e à pirataria, onde temos alguns objetos utilizados por piratas há algumas décadas atrás.

Eu achei que o Museu teria mais a oferecer, no sentido de quantidade de itens à mostra. Mas pelo lado positivo, não torna sua passagem por lá cansativa. Tudo é bem explicado e cada ponto tem sua descrição detalhada em placas, ou mesmo em áudio ou vídeo em sessões interativas.

Resumo

Em uma visita rápida à Raleigh, onde você talvez tenha um fim de semana ou pelo menos um dia do fim de semana livre, vale a pena parar e conhecer estes dois museus que podem ser vistos no mesmo dia, e terão muito a lhe acrescentar em relação às descobertas cientificas ou mesmo um pouco mais de história da Carolina do Norte.

E ao final do dia, você ainda pode terminar com um jantar ou mesmo algumas bebidas na Glenwood Avenue, onde diversidade e qualidade de comidas a pratos não irão faltar.

Eu tenho ainda muito mais para falar sobre Raleigh. Mas para não ficar muito massante e me prolongar em cada publicação, vou dividi-las em partes, onde cada uma abordará alguns poucos assuntos em comum. Facilitando a leitura.

PARTE 2 —->>

Anúncios