Em um artigo que escrevi há algum tempo atrás, comentei sobre como economizar em passagens aéreas e como procurar por descontos. Esse post pode ser visto neste link: Preço de Passagem Aéreas e Dicas de Compras. Dessa vez vou fazer um outro com dicas não apenas de passagens aéreas, mas também de economia durante sua viagem. Como aproveitar mais os lugares e manter os gastos dentro do orçamento etc.

Em tempo de dólar alto e poder de compra menor, muitas pessoas tem adiado suas viagens ou trocado alguns de seus destinos. Viagens internacionais estão sendo substituídas por viagens locais etc. Mas com algumas dicas e algumas atitudes diferentes na hora de gastar em suas viagens, existe a possibilidade de se economizar, aproveitar suas economias e sua verba de viagem de uma forma mais inteligente.

Me baseio em algumas das dicas que já vi por ai e em experiências vivenciadas. Viajar para diversos lugares não significa necessariamente ter que gastar uma fortuna com isso. Sempre é possível economizar e até poupar um pouco para uma próxima viagem.

Câmbio e Gastos em Cartões

passaporte-dinheiro-e-globo

Vamos falar inicialmente de Câmbio, pois esse tem sido um assunto recorrente hoje em dia nos noticiários, com a variação de moedas internacionais e a desvalorização do Real. Vale ressaltar que todas as operações financeiras em moeda estrangeira geram cobrança de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). Ou seja, você paga uma porcentagem da operação para o governo. Existem diferentes categorias e as mais importantes para quem vai fazer uma viagem estão detalhadas na tabela abaixo:

Espécie Cartão de Crédito Cartão Pré-Pago
IOF 1,1% 6,38% 6,38%

Com certeza comprar dinheiro em espécie é muito mais barato, mas deve-se levar em conta o fator segurança: Você irá carregar todo o seu dinheiro durante seus passeios? O Hotel ou local em que estará hospedado possui um cofre para guarda de valores e itens preciosos? O local para onde está viajando é seguro?

Apesar de ser mais vantajoso, não é sempre o mais seguro. Portanto uma boa dica é sempre levar mais de uma forma de pagamento. Mas como a intenção é descrever aqui dicas de economia, vamos à elas:

  • Se Cartão de Crédito e o Pré-Pago possuem o mesmo IOF, qual a diferença?

A diferença está na cotação da moeda que você irá pagar. No Cartão de Crédito o calculo do valor da cotação da moeda é feito apenas na data de fechamento da fatura, mas ele considera a cotação da data do pagamento. Já no Cartão Pré-Pago, você compra o crédito e pagará o valor da cotação no dia. A grande diferença nesse caso é que você não corre riscos com a variação do câmbio. Já sabe quanto gastou. Por isso é sempre bom levar um cartão de crédito internacional com um bom limite, mas utilizar apenas em casos emergenciais.

  • Com a variação do câmbio, qual a melhor data para comprar dinheiro em espécie?

A melhor dica de alguns investidores é sempre comprar pela média. Ou seja, nunca comprar todo o dinheiro de uma vez se você tiver tempo de se planejar. Por exemplo, se sua viagem for dentro de 2 meses, acompanhe diariamente a cotação do Turismo da moeda e sempre que ocorrer uma baixa, ou algo do tipo, faça uma compra pequena. Por exemplo, se seu objetivo é comprar 2.000 em dinheiro estrangeiro até sua viagem, vá comprando de 100 em 100, 200 em 200 etc. Assim com a variação diária, você irá “perder” alguns dias, e “ganhar” em outros, o que te dará um valor médio mais atrativo.

Duas dicas valem a pena em relação ao câmbio:

  1.  Sempre pesquise em diferentes corretoras quais oferece a menor taxa. Diferentes corretoras oferecem valores diferentes tanto para o câmbio quanto pelo taxa administrativa;
  2. Consulte sempre seu banco para ver as taxas dele. Algumas instituições que trabalham com câmbio, costumam cobrar valores diferentes para correntistas e não correntistas. Algumas sequer cobram taxa para correntistas dependendo do valor comprado. Ou seja, as vezes vale a pena ignorar a variação da compra pela “média” se determinado valor te isentar da taxa administrativa.

Se você pensa em economizar, o trabalho não é simples, e vai te consumir um certo trabalho. Novamente, não leve todo o seu orçamento em espécie para não correr risco de perda ou furto. Mas é sempre bom ter um certo valor. Consulte as taxas administrativas tanto para espécie quanto para o pré-pago, e escolha a corretora que tiver o menor valor.

Lembre-se também que não existe em outros países o pagamento parcelado como é oferecido no Brasil. Portanto se você planeja comprar algo um pouco mais caro, esse pagamento deverá ser à vista. Se planeje para o pagamento dele em sua fatura.

Transporte Público x Aluguel de Carro

nyc_yellow_taxi

Alugar um carro, seja em uma viagem nacional ou internacional, nunca é barato. Mas as vezes é mais vantagem do que depender de transporte público. O ideal nesse caso é primeiro pesquisar como é o transporte público de determinado lugar. Pegando como exemplo os Estados Unidos, New York é um lugar completamente atendido por Metrô, Trens e Ônibus, já Orlando é um lugar que tem uma cobertura ruim de transporte público e tudo é muito distante. Considerar essa diferença é essencial.

Algumas outras dicas em relação à locação de carros, que podem te fazer economizar um pouco:

  • Alguns dos seguros são obrigatórios e já estão embutidos no preço e nas taxas, mas alguns são opcionais, você não é obrigado a pagá-los;
  • A maioria das operadores de cartões de crédito possuem uma cobertura para locação de carro se você pagar a locadora com o cartão, consulte-a pois essa cobertura cobre os seguros extras que a locadora poderia te cobrar;
  • Não gaste com locação de GPS. Existem aplicativos de mapas para Smartphone que podem te fazer economizar, mesmo você não tendo internet. Veja o seguinte post para mais detalhes sobre Aplicativo de Mapas.
  • Compare as promoções por períodos mais longos. Algumas locadoras dão descontos para períodos prolongados, como por exemplo 1 semana, etc. Já fiz cotações em que 7 dias acabou ficando mais barato que 6 dias, por ser considerado período maior de tempo. Mesmo que você devolva o carro antes, vale a pena comparar.
  • Pesquise em diferentes operadoras. Algumas oferecem milhagens (ou quilometragem) grátis se você for cadastrado.

Uma outra dica é fazer o comparativo com gastos de pacotes. Faça uma média de quanto cada pessoa irá gastar em cada pacote turístico e quantas pessoas irão viajar junto com você. Por exemplo, em uma viagem recente para Las Vegas, estávamos em um grupo de 3 pessoas, e apenas UM pacote para uma das atrações sairia U$ 95.00 por pessoa. Totalizando U$ 285.00, comparamos com o preço de locação de um carro e por 7 dias pagamos a diária de U$ 45.00, totalizando U$ 315.00. Praticamente o valor de apenas um passeio alugamos um carro por 7 dias e todos os outros tours que havíamos programado não precisou ser pago e fomos de carro. Ou seja, economizamos muito com a locação.

Agora, caso o local seja atendido completamente por transporte público, com certeza vale a pena economizar e optar por essa opção, pois o valor será muito mais baixo. Existem lugares que oferecem passes semanais, mensais ou mesmo de um dia inteiro por um preço fixo, independente da quantidade utilizada. Algumas das grandes cidades possuem isso e basta pesquisar um pouco antes para se informar como adquirir tais bilhetes. Poder se locomover pela cidade pagando um preço fixo, vale bastante a pena, e diminui drasticamente o gasto que teria com taxi ou mesmo locação de carro.

Vai alugar um carro? Faça uma cotação com nosso parceiro Rentcars.com. Você ainda ajuda o blog alugando pelo nosso link, e não paga nada mais por isso. 😉

Compras

Viajar e não fazer compras é praticamente impossível. Mas sempre existem maneiras de se gastar menos ou aproveitar mais as compras, fazendo seu dinheiro render.

Inicialmente Outlets fora do Brasil funcionam e dão bons descontos realmente. Mas uma das dicas em Outlets é sempre observar onde estão as promoções. Alguns lugares oferecem realmente bons descontos e algumas lojas oferecem preços mais atrativos “de fábrica”, mas é sempre interessante observar as promoções de descontos progressivos. Existem lojas que você não tem um desconto real no primeiro produto, mas o segundo sai por 50% do valor. Em partes é verdade que isso é uma pequena estratégia para te fazer comprar mais, mas você terá dois produtos por 75% do valor cada, ou seja terá uma média de 25% de desconto em cada um.

Uma outra dica em outlets é sempre procurar por cupons de desconto. Alguns oferecem a opção de você entrar no site, se cadastrar e retirar os cupons no balcão de atendimento no local, alguns outros lugares oferecem esses “caderninhos” de desconto se você apresentar seu passaporte, basta apenas provar que é turista. E o melhor de tudo, existem alguns lugares que o desconto é cumulativo. Ou seja, você além de aproveitar os descontos das lojas, ainda recebe o desconto dos cupons.

Pesquise com antecedência quais lojas existem no shopping ou no Outlet que você irá, algumas também oferecem descontos diretamente no site delas se você se cadastrar para receber informações etc.

Mas uma outra dica que funciona e as vezes acaba gerando uma economia ainda maior é: não viva apenas de Outlet. Pode parecer loucura falar isso, mas Outlets possuem uma alta procura, ainda mais em locais que são turísticos, então eles oferecem bons descontos, mas não chegam a ser um valor tão alto. Descobri em minhas viagens que grandes lojas de departamentos podem oferecer produtos muito mais baratos que Outlets.

E essa dica vale para diversos locais. Procure lojas fora de shoppings e de grandes centros, e você verá que em alguns locais as mesmas roupas, ou as mesmas marcas, custam o mesmo ou até menos, dependendo do caso. Falando especificamente de Estados Unidos agora, existem algumas lojas de departamentos que podem ser a sua salvação se formos falar de economia. Esqueça a Macy’s, apesar dela ser bem interessante existem duas outras redes que são voltadas muito mais para os moradores e encontrei nelas preços muito mais baixos do que em outlets para alguns itens como camisetas, calças e até mesmo perfumes. Em sua próxima viagem, procure por Marshalls e T.J Maxx.

Refeições

guaruja_padaria

Que todo mundo precisa comer, isso é indiscutível. Mas não é por isso que precisamos gastar todo nosso orçamento em restaurantes. Com algumas dicas simples podemos poupar u pouco de dinheiro e gastá-lo em outras atividades durante nossas viagens.

Com certeza existirá em sua viagem aquele restaurante um pouco mais caro, que você ouviu tanto falar e planeja ir nele desde que começou a fazer seus planos e itinerário. Esse não é necessário riscar da sua lista, mas com todos os outros, existem atitudes para gastar menos.

Uma dica que sempre dou é: saiba com antecedência o que está disponível no local que você irá se hospedar. No Brasil é comum encontrarmos hotéis que ofereçam na hospedagem Café da Manhã, mas em outros lugares esse serviço custa mais, ou não está incluso, sendo necessário desembolsar mais.

Em contrapartida, é comum em outros lugares alguns hotéis possuírem pequenas cozinhas para o preparo de alimentos, o mesmo ocorre quando você aluga uma casa.

Portanto, a primeira dica é: vá à supermercados: compre alguns itens que podem ser servidos no café da manhã ou em um lanche noturno. Com isso, você começa a economizar nessas refeições. Grandes redes de supermercados como Walmart possuem produtos com um bom desconto. Faça as contas de quanto sairia por pessoa o gasto com café da manha, e quanto você economizaria comprando os mesmos produtos e tomando seu café antes de sair para seus passeios.

Coma em locais onde os nativos comem: Em sua cidade você sabe, com certeza, onde existem boas opções de comidas, onde é mais caro e mais barato e onde a qualidade é boa. O mesmo ocorre com os nativos, pergunte no hotel, ou para algumas pessoas onde existem locais baratos para se comer bem. Ou pergunte para as pessoas onde elas comem no seu horário de almoço. É seguindo essas dicas que as vezes você encontra aquele restaurante escondido, pequeno mas que vai te servir a melhor comida da sua viagem, e não será cara. É assim que descobri alguns bons lugares em minhas viagens sem gastar muito. Pois convenhamos, um nativo ou trabalhador local não quer gastar todo seu salário com almoços e jatares, mas quer comer bem.

Não fique com vergonha de carregar algum petisco na mochila ou mesmo comprar água e levá-la. A mesma dica vale para as compras de mercado. Se você tiver onde refrigerar bebidas, compre água no mercado e leve em seus passeios. A diferença de preços do super-mercado para bebidas vendidas na rua é exorbitante.

Com algumas dessas dias, provavelmente você economizará em algumas refeições e o dinheiro pode ser utilizado para algumas outras mais especiais. No final das contas não será uma economia, mas você estará realocando seu dinheiro de uma forma mais inteligente, e aplicando ele para conhecer um local mais requintado.

Resumo

Procurei não falar muito sobre passagens pois já havia comentado sobre isso no outro link no começo do post. Mas com uma boa dose de criatividade e uma pequena mudança de atitude, dá pra viajar, mesmo em época de crise e não gastar muito, dá pra fazer um planejamento bom sobre onde ir, como aplicar o dinheiro e a melhor forma de realocá-lo paa caber no seu orçamento. Se você tem um valor determinado para gastar, e quer utilizar todo o valor, faça com que ele seja mais bem aproveitado, economizando de um lado para gastar com compras, comidas etc de outro.

Essas são algumas das dicas que dou e que costumo utilizar bastante durante a viagem para poder viajar com uma verba limitada, ou quem sabe poupar para sobrar para uma próxima.

Anúncios